A vagabunda

A vagabunda dá para qualquer um. Nem precisa pedir e ela já está te dando. Quando você é mais protocolar, do tipo que pede licença para beijar, se assusta: a vagabunda te deu três antes de você falar ”oi”.

Mas os vagabundos, desses que sempre passam por nós, são outra conversa. Se para eles ”mulher tem mais é que apanhar”, imaginem a mulher vagabunda?

Engana-se quem pensa que o vagabundo é o preguiçoso, o malandro, que vive à custa de outrem. Nada disso! Muito menos é o homem que é tudo isso e, ainda por cima (ou por baixo, se preferirem), cafajeste. Vagabundo é vagabundo.

Ora, que diabos, então, é o vagabundo?

Se coloco o vagabundo na mesma categoria da vagabunda, é para provocá-lo, e só isso. Estou dizendo para ele: ”Ei, cara, a mina vagabunda é simplesmente um homem normal!”. Mas nunca que o vagabundo está à altura da vagabunda.

O vagabundo é o canalha. Fracassado, incapaz de ver em si algo digno de orgulho, necessita mijar nos outros para ver se, dessa forma, o clima de esgoto o anima.

Isso porque o vagabundo é o merda. E só mesmo um grande merda, mas um puta merda mesmo, para, recebendo toda a cultura nas suas mãos, o aval machista das instituições, dizer a coisa mais vil que já vi:

— Tá vendo, mano? Viu como a vagabunda olhou para mim? Jogava logo é um boa-noite Cinderela.

Viram o vagabundo? Ele jamais teria culhão para ser a vagabunda. Desfilar numa passarela lotada de espinhos? Receber xingamentos e ovadas como aplausos? Ah, mas nunca que ele conseguiria viver assim. Muito menos com a cara de liberdade e a criatividade a qual chamamos “cara de vagabunda”!

Vagabundas de todo o mundo, eu vos adoro. Amo vocês de paixão! Vocês merecem que cada garoto, cada idoso, tirem o chapéu, o cabelo, quando vocês passarem. E não liguem em nos jogar aquele sorrisinho não, está bem?

* Na foto, funkeira, gostosa, alegre, musa da felicidade como toda vagabunda. Assassinada pelo namorado.

Isaias Bispo de Miranda – 20 de novembro de 2017

Isaias Bispo de Miranda é violoncelista com formação na Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP). Graduando do bacharelado em Ciências e Humanidades e do bacharelado em filosofia, ambos na Universidade Federal do ABC (UFABC), estuda a obra do filósofo alemão Peter Sloterdijk pelo Centro de Estudos em Filosofia Americana (CEFA), onde também é membro.
Gostou? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *