Amantes no Face

Neste dia dos namorados fiquei conhecendo o rosto da namorada daquela mulher sobre quem me disseram que gostava de mulheres. Toda fofoca tem um tom reprovador. Volta e meia aquela informação me vinha à cabeça. Agora a foto mostrou mais um casal vivendo o amor.

O amor faz exigências a quem o vive. O casal homo entrou para o desfile no face, e agora rola para cima e para baixo, como qualquer outro. Está totalmente antiquado o preconceito.

O amor, em Platão, nasce da visão do corpo belo. E é homoerótica, não esqueçamos! Faz o homem atingir o desenvolvimento da parte mais nobre da sua alma – o intelecto. É claro que amor nenhum é de se envergonhar. Vergonha, sim, é não saber viver o amor, e expor o amado e a si mesmo a coisas ruins. No amor, mesmo, não há pecado, pelo contrário: está-se em situação divina.

Vergonha, também, é criticar o amor, seja ele qual for. Sócrates só pôde esconder-se ao perceber que reprovava os amantes. Dizer que um deus é mau, imagine!

Os casais, no face, não se distinguem uns dos outros, porque uma dupla fica parecida com outra dupla. O Amor reveste cada casal. É pelo Amor que se ama. As fotos de casal, no face,dispensam explicações ou bandeiras. E inibem oposições. Os inimigos do amor, nessa hora, sabem o quão são pequenos.

Gostou? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *