Elogio ao não saber

Paulo Ghiraldelli, no seu livro dedicado a Sócrates, mostra que a frase “sei que nada sei” não é totalmente verdade, em se tratando do filósofo grego: Sócrates também se dizia mestre na arte do amor, aprendida de Aspásia e Diotima. Mas aquela frase não é assumida na sua radicalidade por aqueles que a utilizam no senso comum: “não me pergunte nada, ou não leve a ferro e a fogo o que eu disse”, ou seja, uma forma de se desresponsabilizar.

Sócrates queria que seus interlocutores se esvaziassem de pretensos saberes, e se encontrassem a si mesmos na ignorância. Alguns destes interlocutores passavam a ser admiradores de Sócrates, mais do que seguidores. Pierre Hadot fala sobre a ironia socrática, uso de uma máscara de elogio ao pretenso saber do outro, para então fazê-lo ver a verdade da vacuidade deste saber e a verdade da própria ignorância. E é só a partir desse ponto que se pode saber algo. O livro “Elogio de Sócrates”, de Hadot, é um elogio ao não saber.

O filósofo não é o sábio, mas o amante do saber. E ele buscará o saber, inclusive que o outro saiba sobre o que verdadeiramente sabe. Tal é seu amor ao saber. O que verdadeiramente se sabe? Qual é o grau zero do saber? Será que é o espanto? Quando não mais se espanta com as coisas, vem Sócrates e paralisa seu interlocutor tal como uma arraia. Algo deu errado, e não sei mais o que dizer nesta conversa.

Uma das acusações que levaram Sócrates à condenação foi ter ensinado e corrompido a juventude. Bem, ele não possuía um saber para transmitir. O que se pode ter aprendido dele é que não se sabe. Até hoje, quando vejo meu amigo Paulo, vejo que não sei. Era assim no começo. Dá um mal-estar. Fui entendendo e começando a admirar o filósofo. Admira-se no filósofo o que ele sabe ou como ele busca e ama o saber?

Há quem use a própria ignorância para obter algo: Bolsonaro age assim. Na verdade, ele tem saberes rígidos e escondidos. Diferente disso é perceber-se ignorante diante de alguma coisa, e então abrir-se a ela. Efetivamente escutar e ver. Eu sou algo que tem essa capacidade. Também tenho uma capacidade de já saber de tudo, e fingir que não sei, e ter licença para ser mau.

Gostou? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *