Entretenimento que não ensina

 Existem desaprovações por novelas, livros de ficção, censuras por pinturas e peças de teatro por não possuirem “conteúdos educativos”. São grupos que não exercem a atividade de reflexão, investigação, detestam ser contrariados e quando apontamos a ausência desses elementos, nos vestem com roupas que jamais usaríamos: “coxinhas”, “comunistas”, “machistas”, etc.

Quando estudamos filosofia estética partindo dos clássicos, encontramos perspectivas para o pensamento da arte. O que é uma obra? Hegel define como um produto do espírito, o que possibilita ir além da natureza, por ter características como: imaginação, criatividade, principalmente liberdade. A arte adorna ambientes, suaviza relações de afetos e transforma coisas em entretenimento. Se sua finalidade é instruir, não pode ser uma obra de arte em si. Logo o entretenimento não tem compromisso com a verdade embora consideramos partir do objeto natural, não é como a ciência que precisa obedecer as leis da natureza.

O receptor não deve exigir que obras de livros de ficção, por exemplo, novelas, pinturas ensinem algo. A instrução deve existir nas escolas, nos livros acadêmicos, pesquisas e convivência com professores e colegas.

Jessica Bittencourt Gimenez, 24 anos reside em Mogi das Cruzes -SP. Formada em Filosofia.

Gostou? Compartilhe:

4 thoughts on “Entretenimento que não ensina

  1. Legal Jessica muito bom! isso mesmo , arte não tem compromisso com a verdade… No momento dado que há exigência de uma arte, isto é, apontar o que é belo ou não, de forma que force a todos aceitarem uma única interpretação e/ou sentimento do material é esmagar a subjetividade de outros receptores, tornando-os submissos, ao passo de manipula-los, nasce então a “elitização” das artes,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *