Fugir do Temer?

Um rapaz chegou pelas minhas costas, hoje, esticou a mão até a minha. Virei-me, olhei-o nos olhos e ouvi “Fora Temer”.
 
Antes de qualquer coisa, as pessoas estão soltando “Fora Temer”. Não falam nada, não mudam a expressão do rosto, nada. É como se fosse um cartão de visitas, distribuído por alguém que nem ao menos antes fala a que veio. Quer ser aceito. Na marra.
 
“Vão ter que me engolir, não importando o que pensem ou o que digam”. “Não vou escutar, não quero saber nem do que eu mesmo estou falando.”
 
O Golpe de 64 foi mais do que a derrubada de um presidente democraticamente eleito e a instauração forçada de um governo ditatorial: é um bicho-papão, talvez a pior coisa que uma pessoa considera que tenha existido no planeta. É um monstro com ares de absoluto, do qual nem se tenta descrever direito e já se grita por socorro.
 
Ameaçadas pela volta desse monstro, muitas pessoas estabelecem, para o que ouvem na escola ou para o que escutam em suas relações e na mídia, níveis de periculosidade para o retorno do monstro: individualidade-família-lei-religião-consumo-mercado, numa escala gradual do menos para o mais perigoso. Para cada um desses males há um remédio, seguindo a graduação: igualitarismo homogeneizante-ser contrário a pais, professores, juízes e padres, ou seja, a todo mundo que saiba mais e proponha mudança de comportamento-evitar comprar coisas, ou de preferencia comprá-las usadas, e plantar ou reaproveitar o máximo possível para vestir, comer ou usar.
 
 
O PT ganhou o amor de uma multidão não pelo discurso da honestidade, e não exatamente pelo discurso “pró social e minorias”. O ibope do PT foi conquistado por ele ser um catalizador da solução daqueles males que levam ao grande monstro da ditadura.
 
Se O PT faz bolsa-família não é porque milhões de pessoas precisam sair da miséria e terem uma participação no consumo. É porque quem consome gostaria de livrar-se deste mal, embora não queira, então por isso estanca a fome de quem morria disso só para poder ficar perto dele, acompanhando-o na sua pobreza redentora.
 
O PT não faz cotas éticas em universidades porque o negro e o branco precisam conviver no espaço que tem um nome que sugere a inclusão de tudo o que existe. Para os que têm medo de monstro, e no discurso dos que metem esse medo neles, os negros entram na universidade como uma vingança contra os brancos. E estes brancos jamais os aceitarão, por isso o negro, mesmo matriculado e estudando, deve empreender ações que atrapalhem as aulas do brancos, que também poderia ser a deles, se eles quisessem.
 
“Fora Temer” é o balbucio de quem se vê diante do seu pior pesadelo, e não tem qualquer recurso para entendê-lo. Perguntei ao rapaz do início, “porque Fora Temer”? “Porque o PMDB sempre se elegeu de forma indireta, golpista. E por ser corrupto.”, ele me respondeu. Enquanto isso, eu me perguntava: mas o PT também era corrupto, e os que dizem ‘Fora Temer’ não gritaram ‘Fora PT'”. Eu também me perguntava: “Fora Temer, mas depois o que?”
 
Temer saindo, o que vem depois? Ele é o monstro que surgiu por resultado do golpe, de modo que há de se tirá-lo a qualquer custo, da nossa frente? Seus pais vêm a acendem a luz. No momento em que o jovem acha que estudar é gritar na rua e interromper aula, dar de ombros para quem sabe mais do que ele e ansiosamente buscar uma causa e um necessitado para chamar de seus, o presidente acaba com as escolas, substitui os pais ou figuras vencedoras por sua capacidade e talento, e se apresenta como quem mais entende de pobre e minoria, fazendo crer que fez por eles, e ainda fará, coisas que nenhum político mesquinho faria.
 
Esse presidente é o grande pai, e superior a qualquer valor, lei ou razão. “Fora Temer” quer dizer “Fora sentir medo”. “Fora dar ouvidos a qualquer coisa diferente da voz do meu líder, que me diz que cuida de tudo, ou me mobiliza certinho, e não força o meu pensamento”.
Gostou? Compartilhe:

4 thoughts on “Fugir do Temer?

  1. Interessante pensarmos por esse viés. Como o PT conseguiu incutir o medo na população e ganhar a eleição na base do medo. E pior, o PT se tornou lobo em pele de Cordeiro. O malvado é sempre o outro!

    1. Melhor ainda é pensar que, nas eleições de 2002, FHC usou um argumento do “medo” para comover os eleitores e vencer Lula. Doze anos após a vitória do PT com Lula, nas eleições de 2014, Dilma usou argumento idêntico do “medo” para vencer Serra, faltando apenas Regina Duarte como locutora. De fato Hugo, o PT em 13 anos de poder encucou o medo na população.

      1. As eleições no brasil tem se pautado no “voto do menos pior”: votamos em Lula para não votar no Serra; depois votamos em Lula novamente para não votarmos em Alckmin; aí votamos na Dilma para não votarmos no Aécio; e assim seguimos esse fluxo. Não conseguimos mais votar em bons candidatos. Votamos apenas no “menos pior”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.