Literatura de alto impacto

Parei num orelhão. Havia livros em cima e embaixo. Havia “Urupês”, do Lobato. Puxei o corpo mergulhado no orelhão. O pasteleiro nem olhava para o meu lado. Aquilo era gente querendo deixar livros para alguém. “Desapego” misturado com disseminação da leitura.
 
Pegava os livros brasileiros mais velhos da biblioteca. E desconhecidos. Só eu sabia daquelas histórias e nomes. Capa e páginas quebrando. Comprando ou ganhando, esses velhos iam comigo morrer lentamente os cinquenta anos que tinham pela frente. Eu não apressava sua deterioração, segurava-os com cuidado. O papel amarelece e endurece, como folha de árvore.
 
Sempre alguém acaba desgraçado nos contos do Lobato. Para essa estréia, ele dizia “ou entro ou racho”. Personagens morriam ou faliam. Também rachou a cara do intelectual que idealizava o caipira.
 
Contos são para rachar. O prefácio aqui diz: o efeito pretendido era o leitor levantar o pescoço para olhar mosca invisível. Parada para respirar. Algo aconteceu no texto escrito e não escrito. A história inclui o leitor na queda do personagem.
 
O escritor ansiava para desferir aquele golpe. Sentia um prazer armando a arapuca. Preparando um veneno que não age rápido. É o mesmo prazer que sente o leitor que indica esta leitura para um amigo: enquanto o amigo lê, o leitor fica olhando de rabo de olho, só para pegar o exato momento da queda.
Gostou? Compartilhe:

One thought on “Literatura de alto impacto

  1. Ah… se nossa sociedade recuperasse a escola pública e abraçasse a literatura como já fez no passado. Seríamos outro país, sem sombra de dúvidas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *