Na quinta dos liberais: burros!

Ensino médio é uma coisa que está entre os ensinos fundamental e superior. Óbvio!

Se uma pessoa quer fazer faculdade, ela precisará do fundamental e do melhor meio à universidade, que é o ensino médio. Mais óbvio ainda!

Mas o liberal de quinta ainda não entendeu isso.

O liberal de quinta gostou do fim da obrigatoriedade de sociologia e filosofia no ensino médio. ”É menos tempo para atrapalhar o essencial, o ‘ler e contar’ ”, diz.

Mais duas horinhas por semana na grade são tudo isso, liberal?

”O brasileiro é quase analfabeto. E você viu que saiu uma pesquisa mostrando que sociologia e filosofia pioram a matemática e o português dos alunos pobres?”.

Ou seja, estando certo o liberal de quinta, em vez de pedir reforço, melhoria na didática, melhores condições de trabalho e – o principal – maiores incentivos (mais salário mesmo!) aos professores, ele quer é o negativo, o ”tirar”.

Uma escola não é mais interessante quando mais variada, mais cheia de possibilidades, quando tem um ”plus”, liberal?

O liberal de quinta não sabe o que é o ensino médio porque não sabe o que é o fundamental.

Após vários anos vendo português, matemática e ciências no fundamental, o acréscimo de filosofia e sociologia não dará uma sensação de ”novidade na parada”, deixando os alunos mais entusiasmados, liberal?

O liberal de quinta apresenta uma pesquisa sem conhecer o pesquisado!

Ele prefere é a mágica.

O liberal de quinta não leva em consideração que o número de alunos para cada professor só cresceu e, quanto mais alunos por professor, mais difícil de lecionar, mais fácil de apanhar.

”Não me importo que eu esteja pedindo um ensino médio para corrigir o que é da ossada do ensino fundamental e que, na minha lógica, o ensino superior tenha de cair nessa também! É errado que um aluno de direito não saiba ler direito!”, poderia ter dito o liberal de quinta.

Por que será que a quinta do liberal de quinta se parece tanto com um pasto?

Bem, é que ele quer um melhor uso dos recursos escassos. ”Se na nossa conta bancária não cabe a Constituição, aos pobres trabalho, férias e, se desempregados, pão”.

 

Isaias Bispo de Miranda é violoncelista com formação na Escola de Música do Estado de São Paulo (EMESP). Graduando do bacharelado em Ciências e Humanidades e do bacharelado em filosofia, ambos na Universidade Federal do ABC (UFABC), estuda a obra do filósofo alemão Peter Sloterdijk pelo Centro de Estudos em Filosofia Americana (CEFA), onde também é membro.

Gostou? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *