O povo não é idiota: 2/3 contra o Bozo!

Naquela que é considera a democracia mais sólida do mundo, os EUA, quando um candidato republicano é eleito os democratas logo reconhecem a derrota. Admitem o sucesso do opositor, assim como fizeram com Trump em 2016, e o parabenizam. Em nenhum momento se quer cogita-se a adoção de uma narrativa do tipo “foi golpe” ou “teve fraude”.

No Brasil as coisas acontecem de um modo diferente. Na parte sul do continente a democracia não é algo tão forte como na parte norte, e não raro, as esquerdas tem dificuldades em lidar com ela. Já vivemos ditaduras políticas de direita, mas também já vimos as de esquerda. Cuba então, nem se fala!

A esquerda brasileira não consegue compreender que no jogo democrático o eleitor tem o direito de votar em quem ele desejar, mesmo que isso represente um retrocesso sem tamanho. A vida dos brasileiros melhorou muito nos governos petistas através de uma política neoliberal misturada com uma política social mitigadora desse neoliberalismo. Porém, os brasileiros decidiram por votar em Bolsonaro, mesmo conhecendo a raposa velha que sempre foi, uma raposa do baixo clero que poderíamos dizer que mais se assemelha a um cachorro do mato.

Diante da dificuldade de lidar com a democracia, a esquerda logo gritou: é golpe! Sim, tudo para a esquerda brasileira se resume em golpe quando ela é derrotada. Tem que haver uma explicação, podendo ser um golpe, ou uma fraude, ou mesmo uma manipulação através das fakes news, menos o reconhecimento do fracasso. Diferente dos democratas, a esquerda brasileira jamais reconhece que a direita se saiu melhor na eleição. O discurso é sempre o do “somos os melhores e venceríamos caso não tivesse ocorrido uma fraude, um golpe, etc”.

Em 2018 os brasileiros votaram no Bolsonaro na onda do antipetismo. Isso jamais significou que o brasileiro fosse em sua maioria de extrema direita. Ao contrário, não somos um povo tão conservador quanto se pensa, e as pesquisas de opinião atuais mostram isso. Todas as estatísticas já indicam que 2/3 da população está contra Bolsonaro, e apenas 1/3 o apoia. Isso por que ainda estamos na primeira metade do segundo ano de governo. É um recorde que nenhum outro Presidente conseguiu. FHC ruiu no segundo mandato. Dilma também. Bolsonaro está ruindo ainda na primeira metade do primeiro mandato.

A população brasileira mostra que não é idiota como vários da esquerda e da direita dizem. A maioria do brasileiro defende o isolamento social, acha que Bolsonaro está interferindo na Polícia Federal para proteger os filhos, e vê no Presidente uma pessoa completamente incapaz de conduzir o país. Isso prova que a população não é massa de manobra, e que ela possui discernimento em relação aos seus governantes. No ritmo em que Bolsonaro se encontra, talvez não chegue a segunda metade do seu primeiro mandato. Terminá-lo? Impossível.

Gostou? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.