O que significa “fazer-se a vida”?

Para que serve a pergunta “O que você vai ser?”

Por volta de dezesseis ou dezessete anos nos colocamos (ou nos impõe) algumas perguntas. O que iremos fazer de nossas vidas? Qual será nossa profissão? Como ganharemos a vida? Esta pergunta faria mais sentido há cem anos. Quando as carreias eram menos flexíveis e a opção de cursos universitários não era tão grande.

Hoje temos (ou tínhamos – e voltaremos a ter depois desta crise) uma grande possibilidade de mudar de carreira. Para quem tem uma boa formação e o domínio de línguas – ou até menos. A carreira que escolhermos agora provavelmente não será a que seguiremos a “vida inteira”. Até universidades de má qualidade têm uma grande gama de cursos para os quais podemos nos transferir, caso não gostemos do que “escolhemos”.

Ouvi esses dias de um amigo professor de cursinho a história do aluno de medicina que para entrar na universidade cursara quatro anos de cursinho. Cursou um ano de medicina e desistiu. Mas poderia ser qualquer outro curso. Descobrir de que não se gosta de um curso durante ele é moda agora. Tanto que o site de humor Sensacionalista recomendou que os cursos fornecessem um “test drive”.

Qual o sentido dessa pergunta hoje?

A adolescência é um ponto definitivo de nossa individualidade. O final deste período, que combina com o fim do colégio, é um ótimo momento para fazermos um rescaldo do tempo passado (ou perdido) e para definirmos quem somos. Para definir o que queremos fazer da vida, ou seja, fazermos a nós mesmos.

Pedro Possebon, Santo André, 28 de julho de 2016

Escritor.
Gostou? Compartilhe:

3 thoughts on “O que significa “fazer-se a vida”?

  1. Mas há adolescentes aos 30, 40, ainda tentando fazer a primeira escolha. O test drive não parece conduzir a nada “real”, então empurra-se para frente a adultez. Só que ninguém pergunta nada a eles, pois quem perguntaria é apenas alguém com mais idade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *