Pensando as escolas ocupadas

O professor fala aos seus alunos sobre a situação política e econômica do país. O professor de história, de geografia, de filosofia, até o de matemática, falam. Ocorre de esta fala ser objetiva e não ideológica. Também ocorre de ser ideológica. A ciência tem a neutralidade por meta. Mas o professor precisa ter o direito de trabalhar o próprio ponto de vista e de apresentá-lo. Censurá-lo rompe com o nosso Estado democrático e liberal.

Este entendimento acerca do projeto de lei apelidado de “Escola Sem Partido” não é o que está na boca de professores e alunos. “Não existe saber politicamente neutro”, é o que dizem. Uma inverdade, evocada pelo cientista social que, enquanto apresenta sua pesquisa, é chamado de direitista ou de esquerdopata.

Não pode haver censura de professor, mas deve haver cobrança social para que a escola seja a melhor possível. De um professor o desejável é um estudo e um ensino acerca do Escola Sem Partido. Mas o professor e o aluno se dizem contra, como dizem “Primeiramente, Fora Temer.” : ser contra é sua palavra inicial e também final.

Os jovens que agora tomaram as escolas e as universidades públicas justificam-se com esse tipo de contrariedade ao Escola Sem Partido. Outra justificativa que encontram é a contrariedade à PEC 241, também do governo federal. O projeto estabelece um teto de gastos em saúde e em educação, a fim de sanar a dívida criada pelo governo anterior. Outra possível consequencia desta PEC é um uso mais estratégico e transparente do dinheiro público. Mas o discurso dos alunos e dos professores insiste em “congelamento dos gastos por 20 anos”. Não é congelamento. E o governo falou em revisão da proposta em 10 anos. Ocorrendo uma melhoria da nossa situação econômica, obviamente que esta meta pode ser revista antes disso.

A escola ocupada coloca-se com o objetivo principal de ser contra o governo. Diante das propostas do governo, estar contra ou a favor é a melhor coisa a se fazer? Ou é melhor ler o texto delas, junto de opiniões de especialistas, e então conversar com um professor para enfim formar uma opinião? Mas não uma opinião que coloque o ser contra ou o ser a favor no centro e, sim, um raciocínio.

Os alunos lutam por educação? Querem que o professor tenha liberdade para falar o que ele quiser? O que está sendo dito acerca da liberdade de opinião considera a responsabilidade que se deve ter acerca do que se diz? Dizer o que se quer dizer implica em saber o que se está dizendo. Este é um compromisso teórico e um respeito aos fatos.

Da forma como vêm ocorrendo, as ocupações são a plena realização do modo como as escolas vendo sendo utilizadas. Os alunos e os professores, que não estudavam e não ensinavam durante parte do dia, agora o fazem o dia todo. Há, no jovem um certo orgulho em não saber das coisas. Agora ele quer o aplauso de toda a sociedade. E a sociedade reconhece que há este orgulho em jogo: parte dela diz que a escola é mesmo do aluno, parte diz que aquele é um espaço que, por ser público, não pode ser tomado por indivíduos ou grupos. Ambas posições também não são alvissareiras: ao invés de considerar o orgulho pela impulsividade e pelo não saber, a sociedade deve considerar e perguntar ao jovem pelo seu orgulho sobre coisas boas.

Melhor seria que os jovens e os professores estudassem e mostrassem uma melhor visão para o que querem do governo. E também fizessem a escola da melhor forma que eles podem querer que ela seja. Então esta escola seria um modelo, pois teria as coisas postas em favor da efetiva educação dos alunos.

Gostou? Compartilhe:

One thought on “Pensando as escolas ocupadas

  1. Eu desejo que esses alunos que gastam suas energias nas ocupações das escolas e universidades também a gastem apoiando os professores em suas greves, e principalmente na reivindicação da melhoria salarial do magistério no Brasil, porque sem isso escola nenhuma funcionará.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *