Pensar na vida

 

Quatro e meia da manhã, e eu passava por uma farmácia perto da minha casa. Eu iria me aprontar para o trabalho. Na porta da farmácia tinha um papel com um texto impresso dizendo que haverá missa de sétimo dia pela alma de uma mulher. O nome inteiro dela era informado. Escrevi este nome no Facebook, e apareceram dizendo que a farmacêutica e empresária, dona de uma rede de farmácias, havia sido morta por um homem. Ela estava grávida, e uma foto mostrava sua barriga. Na foto ao lado era o homem que, segundo a reportagem, tinha um relacionamento com ela.

A mulher pegou um metrô na estação Saens Pena, que fica bem perto de onde eu moro, saltou na estação Flamengo. Encontrou-se com o homem, que estava de carro, e foi levada a Vassouras, onde foi morta. Ela foi encontrada queimada, dentro de pneus. Os dentes do corpo haviam sido arrancados. O homem é dentista. Ele afirna tê-la deixado no Aterro do Flamengo, e então ido sozinho a Vassouras, onde atende. O homem é noivo de outra mulher.

Eu já tinha visto aquelas fotos, mas não lido o texto. O aviso na farmácia me fez lê-lo. Talvez eu tenha muita pressa. Ou talvez a quantidade de coisas que me são lançadas a ver faça com que eu deixe muita coisa sem minha atenção, então eu fico mesmo como apressado. O escrito na porta da farmácia, de certo modo, pedia atenção à alma da dentista. A dona de uma rede de farmácias, que deve viver apressada, relaciona-se com um homem, e é morta. Viveu apressada, e morreu rápido, no sentido de que ninguém pôde prever, ou saber direito o que houve com ela. Esses que a conhecem chamam atenção para a alma dela.

A alma, se existe, não sofre a ação do tempo. O corpo se apressa ou fica lento, e passa por uma coisa ou outra. A alma não muda seu estado, nem sua natureza. Por isso ela é lembrada quando se quer falar “de quem uma pessoa é, de verdade”, ou para pedir que ela tenha um bom destino.

Durante o tempo em que aguardou sua execução, e nesse momento mesmo, Sócrates se manteve calmo e otimista. O corpo dele morreria, mas sua alma teria um bom destino. Críton veio com uma ideia de fuga. A esposa estava se descabelando. O filósofo explicou aos discípulos: aguardar a execução era seguir seu próprio desiderato de cumprir as leis da cidade; era manter-se virtuoso, o que neste caso era a virtude da justiça, tendo passado toda a sua vida cobrando isso dos outros.

Sócrates estava sereno. Talvez o sentido da filosofia seja o de pensar sobre alguma coisa além do que se faça. Pensar em algo que não está aqui, mas, e se estivesse? Ou mais ainda: e se for a única realidade? Por isso que ela é o pensar o realmente novo, ou pensar o melhor. Por isso que ela é o pensar.

Gostou? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *