Quando não se sabe estar

Há quem persiga e seja perseguido por coisas. Um jovem estava com a seguinte frase na cabeça: “Paulo Freire foi ruim para a educação brasileira”. Ele procurou meu amigo Paulo Ghiraldelli para opinar sobre ela.

O jovem queria que o filósofo se tornasse autor daquela frase. Mas o filósofo já havia se tornado, há anos, autor de frases recomendatórias sobre Paulo Freire.

O jovem perseguia uma coisa, agiu como se algo pudesse se comportar conforme sua vontade. Mas se tem alguém que sai da condição de coisa é o filósofo.

Jesus é um personagem de muitas falas. No episódio em que visitou as irmãs Maria e Marta, a primeira permaneceu todo o tempo postada diante dele, enquanto Marta arrumava a casa. A interpretação tradicional diz que o importante estava sendo feito por Maria: ela aproveitava a presença do mestre.

Paulo Ghiraldelli, em seu livro “Para ler Sloterdijk”, traz a interpretação do Mestre Eckhart, para o episódio: Marta sabia estar com as coisas. Ela não perseguia as coisas, nem era perseguida por elas e então usava outras coisas para se esconder. Maria, enfim, é que estava perseguindo Jesus, querendo aparecer para ele. Certamente ela não escutava Jesus, o homem-fala.

Nossa cultura não apresenta nenhum ideal formativo para o homem. A formação é pensada como um caminho para se ter dinheiro e se fugir da falta de dinheiro; para se ter boa aparência e escapar da aparência ruim. Mas, quando se as alcança, não se sabe lidar com elas. Vive-se ansioso, em fuga e em busca.

Não se ensina o estar com as coisas, a dedicação a elas (eu diria, com Heidegger, escutar o ser). O jovem não sabe ler: pega um livro para fugir de outro. Não sabe escutar: de uma fala quer fugir, já clamando por outra.

Gostou? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *