Um pouco de homem e um pouco de mulher

Homens e mulheres são formas. Algo veste calças e põe sapatos; arruma a barba: todos vêem um homem. Algo põe maquiagem e arruma o cabelo; põe vestido e salto; pega a bolsa: todos vêem uma mulher. Algo usando bermuda e chinelos não pode ser considerado homem. Algo sem maquiagem e bolsa não pode ser considerado mulher.

Você pode achar ruim isso que escrevi, mas peço que traga à sua mente a melhor imagem de homem e de mulher que puder trazer, e comprove. O eu é corporal e o corpo é algo que se veste. E não se veste de qualquer maneira. Ninguém se satisfaz com um corpo que seja qualquer coisa.

Há uma série chamada “Undateables”, no Netflix, em que pessoas com transtornos do desenvolvimento mental ou físico procuram agências de encontros. A maioria delas está há anos sem relacionar-se com ninguém, e querendo muito isso. A agência consegue um interessado e organiza o encontro.

Cada um deles, antes do encontro, coloca-se diante do espelho e mexe no próprio rosto e roupas. O que eles vêem? Ou melhor, o que eles querem ver? Ou, melhor ainda, o que eles querem que o outro veja ao olhar para eles?

Em um relacionamento, em casa, você não vê uma mulher, mas o “mô”. Você não vê a mulher, nem ela vê o homem. E nem seria para ver, pois estes tipos ideais cansam de serem mantidos e de se tratar com eles. No dia a dia somos menos visuais e mais sonoros, menos impressionados e mais narrativos.

As pessoas daquele programa, autistas, portadores de diferentes síndromes, anões, etc, os homens e mulheres que puderam se tornar, para os encontros. Podem agradar ou não, mas são vistos como pretendiam. São reconhecidos como pretendentes a encontros amorosos, pessoas que mostraram algo válido no campo do ser homem ou mulher.

Se você ainda está desgostoso com o texto, pense que o que eu falo inclui qualquer ser na possibilidade de adentrar o campo do masculino e do feminino. E que não digo que este campo é propriedade de ninguém em particular. O texto é uma chance para você pensar como uma perspectiva universalizante pode ser generosa.

Gostou? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *