Uma introdução à Filosofia para melhor nos entendermos

Ao falarmos em uma introdução à Filosofia, logo pode vir à nossa mente uma tarefa delicada, se nos deparamos com leigos no assunto, ou, mais comumente, leves toques superficiais em corpos extensos de conhecimento. À luz da Filosofia de Hegel, uma filosofia como sistema, dividida em áreas específicas, nós podemos ver que o caráter introdutório em relação a essa disciplina fica bem longe de toda a dedicação demandada para quem deseja se aprofundar nela. Fala-se por aí, inclusive, que quem deseja dedicar-se à Filosofia precisa desligar-se daquilo que ocupa o seu tempo em demasia, caso não, o fracasso é garantido.

Gerd Bornheim (1929-2002), que foi um dos grandes representantes do existencialismo aqui no Brasil, em seu livro Introdução ao Filosofar, aproxima ainda mais as questões que permeiam a nossa vida, algumas bem sutis, da necessidade da reflexão teórica. Como sua descrição diz: “O pensamento filosófico em bases existenciais”, podemos sentir através da sua leitura que a compreensão do período em que o homem vai de uma ruptura do dogmatismo a uma postura crítica é o estopim da Filosofia desde a Grécia Antiga até os tempos atuais. Desta forma, para Gerd o historicismo não deixa de ter a sua importância para a atitude inicial do filosofar, uma vez que dele podemos dispor de grande material para pesquisa em vista da compreensão sociocultural do homem, já apontando a natureza da Filosofia, mas ele desfalece quanto à dimensão existencial humana que, apesar de tudo, é também fundamental para a historicidade.

Ao longo das páginas desse estimável livro, podemos notar que a fenomenologia de Husserl é uma longa inspiração para Gerd. A nossa atitude inicial do filosofar está fundamentada no questionamento daquilo que é chamado de “tese geral”. Esta é dotada de três valores: um gnosiológico, isto é, daquilo que concerne ao conhecimento das coisas; um ontológico, que concerne a tudo aquilo que é, e um axiológico, ou seja, que concerne aos valores que nós atribuímos a essas mesmas coisas, objetos de nosso conhecimento.

Para o autor, o período dogmático, antes do questionamento da tese geral, consiste na plena aceitação por nossa parte de tudo aquilo que é instaurado no mundo circundante. Vivemos para cumprir rotinas, cumprindo prazos estipulados, em busca de honrarias, enfim, vivemos e o Outro é aquele que nos determina. Já diria Sartre: “O inferno são os outros”. Quantas vezes já não entrou em angústia o homem por não cumprir com aquilo que os outros esperavam da parte dele?

O que caracteriza o momento em que o homem recai em si sobre sua condição? Gerd diz: uma “admiração ingênua”. Essa admiração ainda não é o filosofar, mas um largo passo para ele. Aristóteles não nos diz no início de sua Metafísica que a Filosofia nasce do espanto?  Quando o homem se admira, recai em si, sobre aquilo que o permeia e sobre sua própria condição concomitante de sujeito e objeto de conhecimento? Questionando, o homem alcançará aquilo que Gerd aponta como “negatividade”. Um período crítico, de derrubada de valores, mas marcado por uma afirmação anterior. Vale também abordá-la, ainda que brevemente.

A negatividade é um momento de colapso, todos os valores atribuídos pelo homem às coisas que o permeiam se evanescem, ele vê apenas a si mesmo, aquilo a que sua consciência sempre intenciona está comprometido. Ele tem duas saídas: buscar uma compreensão de sua realidade, convertendo-se à Filosofia, ou, radicalmente, aderindo a um niilismo acentuado. Fala-se em afirmação anterior, pois para que tal condição ocorra, o homem antes precisou afirmar dogmaticamente a sua realidade, vivendo sem negá-la. Muito comum também nas ciências. O físico não questiona a tese geral, por exemplo. Gerd exemplifica muito bem através do romance sartreano A Náusea. A náusea para o personagem Roquetin nada mais é que a colocação em jogo de todos os valores seguidos por ele. Uma condição maçante, mas ao mesmo tempo necessária para uma compreensão geral da própria dimensão existencial em que ele se insere.

Outro ponto que vale destacar é quando Gerd reforça que quem estuda a Filosofia apenas para fins estritamente práticos, não vai compreender o que realmente o pensamento do autor pretende transmitir. Quem estuda algum autor ou área da Filosofia apenas para fins como obter um diploma ou aprovação em alguma disciplina na universidade (muito comum em disciplinas externas do curso de Filosofia e até mesmo internas) poderá compreender tudo, menos eles. A Filosofia, assim, desvincula-se de sua história. Não é feita de exterioridade, mas de interioridade. Quem estuda Spinoza apenas como um conjunto lógico de deduções compreenderá qualquer coisa menos a Alma de seu pensamento, de sua reflexão.

Quanto a mim, como estudante de Filosofia, a leitura desse livro está sendo marcante. Ela tornou ainda mais nítida a minha compreensão do que nos conduz à Filosofia. A necessidade que me levou a deixar a Medicina. Compreensão esta que até para quem há muitos anos já se ocupa da disciplina, ainda pode estar embaçada. Ainda mais por ideologias que criam uma espécie de nuvem que encobrem a própria dimensão filosófica. Que os faz sempre ter posicionamentos a priori acerca de qualquer coisa. Enfim, Gerd, felizmente, claro, nos torna ainda mais evidente a famosa afirmação de Kant: “Não se ensina filosofia, mas a filosofar”.

Gostou? Compartilhe:

4 thoughts on “Uma introdução à Filosofia para melhor nos entendermos

  1. O amante do saber experimenta o afastamento de algo e a aproximação de uma outra coisa. O afastamento de algo que não causa espanto e que não causa amor. A aproximação de algo que causa espanto e que causa amor. “Algo” ou “coisa”, aqui, são estados da alma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.