Você reclama de “fake news”?

Reclamam de “fake news”. Bem, o brilho recai em tudo que está no show, pegando tanto verdades quanto falsidades. Mas quem quer a exclusividade do palco opera com a filosofia “nem tudo que reluz é ouro”.

Não vejo os melhores jornalistas nesta reclamação. Eles se apresentam, e nunca se manifestam pelo corte da apresentação de ninguém.

Alguns fazem o melhor. Outros dizem que fariam o melhor. Os primeiros sabem que a liberdade de opinião é agonística. Eles acusam e são acusados, e estão bem com esse jogo. Os segundos mordem-se com o conflito. Eles querem organizar o mundo em dois lados contrários, justamente inibindo a agonística.

Ensinar um filósofo como Sócrates tem ao menos uma dificuldade: será que ele queria a eliminação da contradição? Conflitos físicos não se defendem. Mas contradição, agonística entre discursos, sim.

Pode-se admitir o objetivo de fim da contradição para os sofistas, que ensinavam aspirantes à política a convencer. Pode-se, também, aproximar este objetivo de Platão, que pôs reis filósofos com um só pensamento no governo da República.

Mas Platão acabou criticando sua própria metafísica e voltando, no fim da vida, ao método da refutação (elenkhos), Socrático. Sócrates antes queria a provocação das certezas dos gregos do que vê-los satisfeitos com o que sabiam, com o que decidiam e com suas próprias leis.

As leis não andam em compasso com a Justiça. E as razões dos homens da cidade baseiam-se em saberes particulares e pouco rigorosos. Eram ignorantes, sem o saber: o general condecorado, o atleta vencedor e o artesão elogiado não sabiam o que era a coragem, a força e a beleza. E orgulhavam-se disso. Eles seriam ainda melhores, e também a cidade, caso buscassem conhecerem-se a si mesmos.

O conflito em cada indivíduo e na cidade leva à sua melhora nas virtudes. Sócrates queria provocar a contradição para que houvesse, enfim, um entendimento num nível superior.

Um site como o “Sensacionalista” nos ajuda a criticar a realidade. Ou vai dizer que você precisa de uma legenda explicando o que é opinião e o que é científico? E que tirem da sua sala o que é fake?

Aprendemos com Sócrates que largar o fake, deixar de ser fake, não é a coisa mais comum.

Gostou? Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *