Viver e sobreviver

Foi o filósofo francês Michel Foucault que definiu a política contemporânea como sendo a “biopolítica”, ou seja, a adoção de práticas disciplinares para governar a população, e não mais os indivíduos. O corpo passou então a ser um dos focos da política, como por exemplo, programas de cirurgia de redução de estômago, ou mesmo programas de saúde bucal. Foi a partir de Foucault que o filósofo italiano Giorgio Agamben, nosso contemporâneo, discorreu sobre os conceitos de “vida nua” e “vida ética”.

Read More

A Globalização nos cegou: um adendo ao filósofo Byung-Chul Han

Durante muito tempo, achamos que o mundo jamais seria um só. Séculos atrás a dicotomia vigente era o Ocidente versus o Oriente. Depois, após as Grandes Navegações, passamos a dividir este planeta entre o Velho Mundo e o Novo Mundo. Aos poucos, China e Japão foram se integrando a vida ocidental, e a América acabou por se tornar referência dessa vida quando os americanos exportaram o American Way of Life, o estilo de vida americano. Era como se a promessa dos pais fundadores houvesse se cumprido, e a pátria da bandeira listrada deveria então ensinar ao mundo como se viver.

Read More

ARRIARAM NOSSAS CALÇAS PARA O CORONAVÍRUS

Há pessoas que ainda não entenderam que a pandemia atual do coronavírus não é coisa da biologia, mas sim da política. A pandemia ocorre na polis, o espaço de convivência dos cidadãos da cidade. É nela que a pandemia surge, se desenvolve e gera uma série de efeitos e conseqüência na vida das pessoas, ou seja, na vida “na” e “da” polis. Mas até aí, tudo bem. Se trata daquilo que poderíamos chamar de “divergência conceitual”, ou talvez de “perspectivas distintas”.

Read More