O Caso de Marina Joyce

Uma jovem YouTuber inglesa chamada Marina Joyce decidiu que seria muito divertido passar a deixar sinais de que estava passando por maus tratos. E em seu canal no YouTube passou a agir de maneira bem diferente e passou a deixar sinais que chamaram a atenção de seus fãs.

A descrição de seus vídeos, que antes continha diversas informações passou a ter poucos links. Dando a impressão de que outra pessoa estaria organizando seu canal. Ela passou a falar com um tom diferente, sorrir de maneira estranha e a fazer expressão de nervosismo, como se estivesse com medo de quem estava atrás da câmera. Há um vídeo em que ela tenta mostrar as meias mas não consegue, ato contínuo, ouve-se barulho de correntes. Como se ela estivesse com os pés acorrentados.

Estes sinais aliados com hematomas no corpo da adolescente e mais alguns pedidos de socorro sussurrados em seus vídeos (inaudíveis, pelo menos para mim…). Fizeram com que seus fãs começassem uma campanha para salvá-la.

Eles pediram para que, caso ela estivesse em perigo, que curtisse aquela mensagem. Ela curtiu todas estas publicações. A internet ficou em polvorosa, surgiram notícias e boatos de que ela havia sido morta e que seus restos foram encontrados pela polícia.

Houve quem dissesse que ela estaria sendo sequestrada pelo Estado Islâmico(!). Há quem diga que ela se viciou em drogas e foi trancada pelos pais. Outros pensam que ela estaria sendo violentada pelo namorado.

Tudo uma invenção da jovem que queria mais publicidade para seu canal e acabou ganhando projeção internacional. Todos sabem que na internet é normal aparecerem teorias da conspirações e de que sempre haverão aqueles malucos insistindo em suas teses.

Talvez ela esteja realmente passando por problemas. Mas eles não têm a ver com drogas nem com seus familiares e amigos. Muito menos com grupos de terroristas internacionais (!). O problema dela é a simples inconsequência de uma garota adolescente louca para que lhes deem mais atenção.

Porém esta é a parte normal da história. O esquisito é o interesse que eu, e não apenas eu estou tendo por este caso. Os vídeos (nas mais diversas línguas!) relativos ao caso, tanto afirmando como desmentindo a história, têm centenas de milhares ou alguns milhões de visualizações. Os comentários sempre muito apaixonados, tanto em suas ofensas quanto em suas defesas, com relação a garota.

Vi vários vídeos, tanto em português quanto em espanhol. Resta em mim certa esperança. Esperança em encontrar alguma informação que me permita acreditar que aquela bela e jovem garota não mentiu para alcançar milhões de visualizações. Talvez eu ainda espere que ela perceba como fez algo que a prejudicará pelo resto de sua vida e que se desculpe com seus fãs e com todos que se preocuparam com o caso.

Talvez parte dos interessados pelo caso queiram não deixar de acreditar na juventude. Queriam acreditar que a maior parte dos jovens é capas de produzir conteúdo de qualidade sem desrespeitar seus fãs. Pela sanidade dos adolescentes, talvez este caso traga alguma reflexão. Farei minha parte.

Pedro Possebon, Santo André, 7 de agosto de 2016

One thought on “O Caso de Marina Joyce

  1. Atitudes como as da Marina acontecerão mais, porque elas sempre aconteceram. Seja no nível familiar, no escolar ou no comunitário, no início as pessoas acreditavam no grito por socorro, depois deixaram de acreditar. O desfecho da história do Pedro e o Lobo também ocorrerá com esses gritos por socorro na internet. O grito e o socorro são um jogo de alarme. Temos que pensar nesse alarme. Será que as pessoas estão apáticas, quando não deveriam estar? Será que estão alertas para tudo, e Marina quis ver o que causaria um alarme a mais?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *